“Ainda penso muito nela”

A actriz acabou de gravar a novela no final de Julho, mas não esquece um dos papéis mais sofridos da trama. Saiba o que Rita Pereira fez para se “descolar” da personagem

É, ao longo de três longas temporadas, um dos papéis mais sofridos da novela da TVI A Única Mulher. Desde o início da trama escrita por Maria João Mira, há já dois anos, que Luena não pára de ter problemas na sua vida, entre os quais se destacam o rapto do filho, a doença quase fatal de Júnior, as perseguições do ex-namorado Rodrigo, a violência da vilã Tânia na prisão e a tensão permanente com Norberto, por quem dará a vida no final da novela. É que Luena perde mesmo a vida quase no final da trama.

“É como se alguém próximo morresse!”

Como voltar à vida normal depois de 23 meses de gravações, com uma personagem metida dentro da cabeça? Há desabafos com alguém ou até a vontade de recorrer a psicólogos para esquecer o papel? Rita Pereira admite que a personagem continua bem interiorizada: “Ainda penso todos os dias na Luena, estou cheia de saudades e espero que ela não caia rapidamente no esquecimento do público. Durante 23 meses fui a Luena e a sensação que tive no último dia de gravações foi semelhante à de um falecimento: aquela pessoa que estava ali todos os dias, de repente, deixa de existir. É como se alguém próximo morresse…”, diz a actriz.

Rita Pereira recorda que “já há quatro anos que não chorava tanto no final de uma produção”, e revela como está a ser largar este papel: “A primeira coisa que fiz para me separar da personagem foi cortar o cabelo e voltar à minha cor natural, foi logo no dia a seguir, muito antes de fazer as trancinhas (que usou na Festa de Verão da TVI e foram muito comentadas)“Mudei logo o verniz também, porque, para me desprender da parte psicológica, tenho de me desligar também do lado físico e da imagem”, diz.

Mas esta despedida também tem um lado positivo para a actriz. “Fazer a Luena foi das melhores coisas que me aconteceu e vai deixar saudades, mesmo tendo ela sido tão massacrada durante a novela. Só não terei saudades de decorar 50 textos por dia e de acordar às seis da manhã!”, brinca.