Biografia

Rita Andreia Martins Pereira, nasceu a 13 de Março de 1982 em Carcavelos.

Residiu em Carcavelos até aos 3 anos, tendo-se posteriormente mudado para Toronto, no Canadá, onde permaneceu até aos 6 anos.

Os seus estudos passaram pela Escola Nova Apostólica, onde revela ter tido “uma excelente educação e uma formação maravilhosa”.

“O que eu queria ser era bailarina”, começa por contar Rita que, durante 7 anos, frequentou o ballet. “Não se proporcionou e preferi seguir por um caminho mais seguro, pois em Portugal é difícil vingar na dança”, conclui. No entanto, as danças não foram deixadas de parte e para além do bailado, frequentou jazz, contemporâneo (3 anos), ragga, hip hop, latinas (2 anos), dança do ventre (2 anos) e danças brasileiras. Durante 12 anos frequentou os escoteiros, dos 7 aos 19 anos, no Grupo AEP 150 de São Miguel das Encostas, tendo assim crescido com a lei e o compromisso escotista. “Foram sem dúvida dos melhores momentos da minha vida, aprendi muito, se tenho uma personalidade forte, uma personalidade vincada, se tenho objectivos muito bem traçados, também se deveu muito à educação que eu tive na parte escotista”.

Adora jogar basquetebol e foi federada durante cinco anos, tendo jogado pelo Carcavelos, até uma lesão a ter afastado da modalidade. Nunca pensou em ser jogadora profissional de basquetebol pois é preguiçosa e odeia correr, exceptuando quando a bola está na sua posse.

Começou a trabalhar com apenas 16 anos, por vontade própria, numa pizzaria, primeiro a fazer pizzas, tendo passado mais tarde para a caixa registadora e ainda, em jovem, trabalhou também, cerca de um ano, na Rádio Tropical onde começou por ser recepcionista, tendo mais tarde a oportunidade de criar o seu próprio programa onde “tinha uns minutos para falar sobre os filmes que iam estrear, sobre festas, concertos, lançamentos de livros”, que conciliava com trabalhos de promotora e manequim.

Licenciou-se em Comunicação e Jornalismo, vertente em publicidade, na Universidade Autónoma de Lisboa.

“Costumo dizer que sou aquela pessoa quando se cruzam comigo na rua. Não entro em pose, não fico preocupada se estou despenteada, se tenho isto ou aquilo vestido, nunca ando maquilhada. Não tenho problema que as pessoas me vejam cruamente como sou. Em termos de personalidade, odeio responder a essa pergunta… dizer que sou simpática e humilde… é uma falta de modéstia muito grande. Muitas vezes, a pessoa responde o que gostava de ser e não o que realmente é. Posso dizer que, e já sei que vou ser criticada, a frase que mais ouço no final de cada produção que faço das pessoas com quem trabalhei é: “Afinal, tu não és nada do que me disseram que tu eras.” Seja de actores ou de técnicos. Ainda continua a haver, mesmo no meio, pessoas que querem transformar a minha personalidade naquilo que não sou.

in Notícias TV

Antes da fama

Entre 1997 e 2002, fez teatro amador no Grupo Dominós e Túlipa.

Já em 2001 tem a primeira experiência televisiva na SIC, como apresentadora de um programa infantil, Altamente.

Nesse mesmo ano começa a tirar o Curso Superior de Comunicação e Publicidade na Universidade Autónoma de Lisboa, que se prolongou até 2005.

Voltando ao mundo televisivo, em 2002 protagoniza o genérico da novela Coração Malandro, desta vez, já na estação que a acolhe. Ainda no mesmo ano, aparece no filme de Alexandre Arcady, Mariage Sixty.

Em 2003, tira um workshop de Interpretação para TV no ArtStudio e, ao contrário do que muitos pensam, a sua entrada em Morangos com Açúcar não foi na 2.ª temporada, mas sim na 1.ª temporada através de uma participação especial. No entanto a sua verdadeira entrada no universo televisivo começou com um casting. “A L’ Agence, para quem já trabalhava como manequim, tem a L’ Agence Actores, onde também estou inscrita. Enviaram-me para um casting para os Morangos e acabei por ser seleccionada”, recordara numa entrevista cedida na altura. “Fiquei muito surpreendida quando soube a notícia. Tinham passado tantos meses e já tinha entrado tanta gente… Pensei mesmo que não tinha sido seleccionada. Quando a minha agente ligou com a novidade foi uma choradeira. Estava numa loja e as pessoas quando me viram naquele estado começaram a perguntar-me se estava bem. Eu disse-lhes: ‘Estou óptima!’. Dar a pele a Soraia, foi o coroar de um percurso na área da interpretação que passou por cinco anos de teatro amador, um curso de cinema e TV e, por algumas pequenas participações em telenovelas como Saber Amar, O Teu Olhar e Queridas Feras.

2004

Em 2004, surge em participações especiais na série da SIC, Maré Alta, assim como protagonizou um episódio de uma série da mesma estação da série Uma Aventura, como Lucy.

“Neste momento estou a viver o meu sonho”, era assim que Rita Pereira se referia à sua participação em Morangos com Açúcar, numa entrevista. “Adoro a minha personagem. Tem um lado querido, mas faz imensas coisas más. Apesar disso tenta sempre não queimar a família”, e, de facto, Soraia não era nenhuma flor de estufa. Activa, sensual e atiradiça, Soraia tinha um gosto por motas, tal como a sua irmã, Ana Luísa, que era motoqueira, ao contrário dela, e tinha mais sucesso do que ela, não só nas motas, mas também nas relações com os amigos. Desenrascada e com uma tendência para se meter com más companhias, volta e meia Soraia via-se envolvida em grandes sarilhos, ao contrário de Rita Pereira, que em comum com a personagem apenas tem “a parte extrovertida (…) tem muito a ver comigo. As reacções que ela, por vezes, tem com os rapazes também são um pouco minhas. Na parte cómica das situações tento sempre pôr um pouco de mim”, mas antes disso, a Rita fez uma participação especial numa curta-metragem, Que Horas São?, de Patrícia Quino. Para além da 2.ª temporada de Morangos com Açúcar, Rita transitou para a temporada de verão.

2005

Ao contrário de outros actores, não transitou para a 3.ª temporada da série juvenil, mas pouco tempo depois do fim das filmagens da mesma, recebeu um convite para uma nova novela. “Estou envolvida numa nova novela da TVI, com o título Dei-te Quase Tudo (…) Nem quis acreditar quando me fizeram o convite. Perguntei várias vezes à pessoa que me ligou se tinha a certeza de que era mesmo comigo que queria falar.”

Assim sendo, em 2005 protagonizou Vera Capelo em Dei-te Quase Tudo, novela que se prolongou até ao ano seguinte.

2006

Já em 2006, Rita Pereira entrou no programa da RTP, Dança Comigo, cuja vertente é dança, uma das suas grandes paixões. Fez um workshop de Castings de TV e Cinema com Patrícia Vasconcelos e teve aulas particulares de Voz e Dicção com Sara Belo.

Continuando no mundo da representação, e depois da sua brilhante interpretação em Dei-te Quase Tudo, seguiu-se “o papel” da sua carreira.

“Ansiosa, nervosa, feliz”, foi assim que Rita respondeu sentir-se aquando do seu primeiro papel como protagonista de uma novela. Maria Estrela Santos, mais conhecida como Estrelinha em Doce Fugitiva (adaptação da novela juvenil argentina Kachorra) foi a personagem impulsionadora da sua carreira, tendo sido a primeira vez que a Rita foi protagonista de uma novela. “Sou a Estrela, a Maria Estrela, personagem muito sonhadora, muito engraçada, a Maria dos Anjos, que é a freira, e a Estrela normal para a família e os amigos.”

Esta personagem proporcionou-lhe a sua estreia no canto, tendo gravado 6 temas para a novela, que se encontram na banda sonora da novela. “A Estrela é que canta, não a Rita, e quando terminar a novela não vou lançar um CD. Quero continuar a ser actriz.”, disse a actriz, descartando assim quaisquer rumores de que lançaria um CD a solo depois da novela.

O sucesso deste projecto foi tal que, segundo a Marktest, a novela foi vista por 97% das pessoas (equivalente a 9.177.900 indivíduos) constituintes do universo televisivo.

Desde este projecto, a Rita conquistou uma enorme legião de fãs, que permanecem até aos tempos de hoje!

2007

Em 2007, participou na curta metragem Horizonte de Luís Campos, fazendo parte do elenco principal, e depois do enorme sucesso em Doce Fugitiva e de um intenso ano de gravações, faz uma pausa onde aproveita para viajar e aperfeiçoar as suas técnicas, tendo feito 5 workshops, um da Fátima Toledo de Técnicas de Representação de Cinema em São Paulo, no Brasil, outro, também este realizado no Brasil, da Teresa Lampreia de Representação de Televisão da Globo, mais tarde, workshop e aulas particulares com Camila Amado, de Técnicas de Representação de Teatro, ainda no Brasil. Já cá em Portugal, fez um workshop de Voz e Dicção da Lúcia Lemos e outro do conhecido autor de novelas Rui Vilhena, também este de Voz e Dicção, na Casa da Criação.

Depois desta pausa e da enorme maré de conhecimentos adquiridos, no final do ano, regressa ao pequeno ecrã numa participação especial em Fascínios, para a qual fez uma intensa preparação, tendo tido “aulas de dança indiana, de hindi e um workshop cultural e histórico”, onde interpretou Kali Basur. “Estou muito satisfeita com este papel da indiana Kali”, confidenciou a actriz a uma publicação no aeroporto, quando se preparava para partir para a Índia.

2008

O ano de 2008 não poderia ter começado da melhor maneira, com a Rita a estrear a série de telefilmes de sucesso da TVI, Casos da Vida, num episódio cujo título é Noivas de Maio e onde interpretava uma modelo com cancro, que se envolvera com um homem casado.

Estreando-se nas dobragens, dobra Jessie, no filme O Patinho Feio e Eu. Na altura, revelou em entrevista este papel não lhe ser desconhecido, pois por vezes “acontece (…) olhar para o espelho, fazer o que é preciso e continuar a sentir-me feia. Então desisto de me vestir bem e de arranjar o cabelo”.

Seguidamente protagonizou a novela Feitiço de Amor, onde durante mais de 300 episódios interpretou Alice Rodrigues Santos, uma mulher que no dia do seu casamento descobre que o seu marido a engana com a prima, vendo-se depois confusa entre Afonso, com quem casara, e Henrique, que conhecera depois. Devido ao enorme sucesso obtido, a novela chegou a ser transmitida em dois horários, sendo um deles à tarde e o outro, como é habitual, à noite.

A 21 de Dezembro, estreia o programa de talentos musicais Uma Canção Para Ti (baseado no original Ti Lascio una Canzone, na Itália) apresentado por Manuel Luís Goucha e Júlia Pinheiro, dos quais fazem parte do jurado Rita Pereira, Pedro Granger, Luís Jardim e Helena Vieira.

2009

2009 é o ano da estreia da Rita no teatro profissionalmente (como mencionámos anteriormente, a Rita fez 5 anos de teatro amador) num conhecido musical da Broadway, Os Produtores, onde interpretava a ucraniana Ulla, um musical que foi sucesso de bilheteiras, encenado por Claudio Hochman (projecto este que fez em simultâneo com as gravações da novela Feitiço de Amor). “Conhecia a história de Os Produtores e sempre sonhei estar num projecto assim. Foi a primeira vez que representei ao vivo para tantas pessoas, por isso, no início, estava com receio, mas felizmente correu tudo muito bem”. Já no fim do espectáculo, a actriz confessou ter chorado. “Confesso que me emocionei bastante e que as lágrimas acabaram por correr. Foi um momento muito bonito e que correu muito bem”.

É no ano em que Rita tem a sua estreia profissional no teatro, que volta a ser jurada da segunda e terceira edição do programa musical da TVI, Uma Canção Para Ti. “Adorei terem voltado a convidar-me para o programa e aceitei de imediato. Gosto muito e as pessoas já me associam ao programa. As pessoas encontram-me na rua e dizem-me: Vejo sempre o programa e há uma coisa que gosto muito, que é ver como é que a Rita vai vestida”, disse.

Mais tarde, regressa ao pequeno ecrã como Carmelita (Mel) Fontes, na novela Meu Amor, escrita por António Barreira, na TVI. “A minha personagem chama-se Mel, é uma camponesa e, a certa altura, é obrigada a ir viver para a cidade. Ela é doce, tem sonhos bonitos. Um deles, com o qual me identifico, é o facto de querer ser bailarina. Vai estar envolvida num triângulo amoroso com os actores Rodrigo Menezes e Marco d’Almeida”.

2010

“Estou a adorar fazer parte deste projecto em que tenho a oportunidade de trabalhar com grandes actores, mas assim que a novela acabar talvez tire umas feriazinhas”, disse na recta final das gravações da primeira novela portuguesa a ganhar um Emmy. “Eu nem percebi muito bem que tinham dito o nosso nome e fiquei sentada. Portanto, acho que só vivi a emoção toda instantes depois dos meus colegas. Eu estava a filmar e no meu vídeo vê-se a câmara a cair e eu a ficar um bocado nervosa e a não acreditar. Acredito em nós, mas achava que fosse a Argentina a vencedora. Por isso fiquei mesmo muito contente e emocionada.”, revelou. Quando agarrei no Emmy, senti um peso diferente. É uma coisa que nos marca para o resto da vida”.

Nesse mesmo ano, apresentou o programa MorangoMania, juntamente com Paulo Vintém, na TVI.

Mais tarde, sai de Portugal para o Canadá, onde passa uns dias e visita a sua família, seguindo depois para Los Angeles, onde tira um curso de representação no The Lee Strasberg Theatre & Film Institute. De volta ao Canadá, e aproveitando a sua estadia, faz um casting para participar numa série de sucesso, onde foi escolhida para interpretar uma modelo, Monica era o seu nome, Living In Your Car. “Já sabia disto há muito tempo, mas consegui manter segredo até agora, o que até é bom, para as pessoas perceberem que não conto tudo aos jornalistas, ao contrário do que pensam. Naquela semana em que vim ao Canadá, em que toda a gente pensava que só vinha visitar a minha família e dar entrevistas, vim também fazer a audição”. Quando soube que tinha conseguido o papel, Rita ficou “superexcitada e contente, porque foi como dar um gelado pela primeira vez a um bebé. Porque é uma oportunidade no Canadá, que é um país onde já vivi, onde me sinto completamente em casa e onde sei que tenho imensos fãs, até canadianos me procuram no Facebook e mandam mensagens”. Ainda sobre o papel, Rita admitiu que era uma maravilhosa oportunidade. “É muito bom poder incluir no meu currículo que fiz um trabalho na América, visto por milhões de pessoas, porque o HBO é um dos canais mais vistos no Canadá”.

No dia 17 de Outubro, inaugura a sua loja, com o nome Ritó, com peças femininas desenhadas por si, no espaço Vila Louize no LX Factory, juntamente com Miguel Mouzinho. “A ideia da loja nasceu porque existe o Vila Louize, que é constituído por loja de roupa e de tatuagens, escola de dança e de DJs, tem bar, restaurante e cabeleireiro… Eles fecharam para férias e eu decidi que gostava de ficar com a loja de roupa”, conta Rita, revelando como surgiu o negócio. “Vai ser tipo loja de bonecas, em tom branco, rosa claro, onde as pessoas vão ter de abrir as portas dos armários para verem a roupa”. Além disso, “metade é desenhada por mim, a outra metade vem de Hong-Kong, Coreia e Japão. Fui agora de férias e aproveitei para ir procurar marcas em Hong-Kong”.

2011

2011 foi, para a Rita, um ano de grandes conquistas profissionais.

Duas propostas na área da representação completamente distintas. A primeira para a protagonista de Anjo Meu, Eva Rebelo da Cunha e a segunda para, a também protagonista, Remédio Santo, onde interpretaria a terrível Helena Coelho Borges. A escolha da Rita recaiu sobre a segunda opção e não poderia ter sido melhor. “Agora quando olho para o plano ‘O quê? Só tenho 7 cenas? Só vou poder fazer 7 vezes de Helena? Como é que é possível? Não pode ser, eu quero mais cenas’, e fico entusiasmada e quero sempre mais, e dá-me um gozo enorme fazer de Helena, é mesmo assim um bombom que me deram (…)”, declarou Rita, em entrevista. “[A Helena] é daquelas pessoas que eu não quero, de todo, perto de mim (…), porque é mesmo mázona, assim de todo, e eu espero que as pessoas não achem que eu agora mudei de personalidade, porque eu não tenho mesmo nada a ver com a Helena!”, prosseguiu.

Antes da estreia, que ocorreu a 16 de Maio de 2011, conciliou as gravações com o papel de jurada, todos os domingos, no programa Uma Canção Para Ti e em Agosto do mesmo ano volta a liderar o horário nobre dos domingos, desta vez no papel de apresentadora do programa, também ele musical, Canta Comigo. “Sei que Canta Comigo vai correr lindamente. Estou muito feliz e orgulhosa”, revelou a actriz na apresentação à imprensa do programa.

Em termos de formação profissional, fez o workshop de Interpretação para profissionais da Escola Act, e o seu nome foi apontado pela imprensa para a apresentação de um programa que estrearia em 2012, em que famosos se caracterizam e cantam como alguns dos seus ídolos musicais.

A nível social, em 2011 a Rita criou o projecto O Teu Sorriso, que consiste numa plataforma de ajuda social, em que a ideia é angariar fundos ou géneros, através das marcas com as quais a Rita trabalha e com as quais criou relação nos últimos anos, para associações ou causas que envolvam essencialmente crianças, educação e saúde em carência. “Já realizámos alguns sonhos e pretendo espalhar e receber muitos mais sorrisos…”.

2012

“Nunca estive para apresentar o programa A Tua Cara Não Me É Estranha. Se calhar, a imprensa achou que ficaria bem ao lado da Cristina e do Goucha, mas foi mesmo uma notícia criada”, afirmou Rita na primeira entrevista do ano por si cedida, realizada em Salvador da Bahia. Ao invés de apresentar o programa, foi uma das convidadas especiais, juntamente com as colegas de elenco de Remédio Santo Sílvia Rizzo, Sara Santos, Marta Melro e Rita Loureiro, na altura da comemoração dos 19 anos da TVI.

“É verdade, vou ser a capa número 1 da regressada, grande, Playboy”, confirmou assim Rita Pereira, a 27 de Abril aquando da sua ida ao programa da RTP1 5 Para A Meia-Noite, os rumores de que o iria fazer. Afirmou tratar-se de um trabalho “com muita classe”, e revelou na altura que os seus pais adoraram.

Em entrevista à Playboy, revelou estar envolvida num “projecto muito interessante”, Bairro, uma série escrita pelo Moita Flores. “Sou uma policia infiltrada num gang de tráfico de droga, e eu própria sou traficante. (…) Fiquei muito feliz com este convite, até porque é uma personagem diferente de tudo aquilo que já fiz. Vou ter rastas, piercings e tatuagens, é uma mudança radical.”.

A 1 de Julho de 2012, é apresentado e lançado, no Dolce Vita Tejo, um sapato criado por Rita Pereira em parceria com a marca de calçados nacional Seaside. “Estou muito orgulhosa e fiquei muito feliz quando a Seaside me propôs desenhar um modelo de sapato. E então achei uma óptima ideia, que com a inspiração de Jeffrey Campbell, que é uma marca que eu adoro, conseguir criar um modelo que desse para o dia, para a noite, também, e que acima de tudo fossem muito confortáveis, fashion e com cores diferentes.”, disse Rita durante a apresentação.

“A TVI tenciona que comece a trabalhar em Setembro (…) na nova novela do António Barreira”, revelou na altura das suas férias, algo que se veio a confirmar. “Estou muito entusiasmada com o próximo desafio”, revelou em Outubro. “(…) Estou completamente apaixonada pela minha nova personagem”, que se trata de uma jovem mecânica, pouco feminina e bruta, que mantém um relacionamento com um talhante desde criança, mas que se apaixona mais tarde por um “menino” rico.

É convidada para entrar no videoclip do single de Mickael Carreira, Porque Ainda Te Amo, que estreou no dia 20 de Novembro. “Não nos conhecíamos, por isso, a parte de nos tocarmos tornou-se mais difícil, mas estávamos os dois tranquilos e correu muito bem”.

2013

“Estou a adorar, acho que é assim das novelas que mais gozo me está a dar”, começa por contar Rita, em relação a Destinos Cruzados, estreada a 27 de Janeiro, prosseguindo – “É muito diferente [das que tenho feito ultimamente], é muito divertida”.

Em meados de Julho quando se começou a falar do primeiro programa apresentado a solo por Cristina Ferreira, Dança com as Estrelas, o nome da Rita foi logo um dos nomes apontados para o concurso, no entanto, foi a última das concorrentes a dar o “sim” à TVI. “Este é o meu programa, adoro dançar, mas estou mesmo muito cansada porque estou a gravar há 10 meses e o programa são mais dois de trabalho”, tendo ainda, durante 2 semanas, acumulado o programa com as gravações da novela.

Durante 6 semanas, Rita deu o seu melhor, brilhando e encantando em cada actuação, o que fazia com que conquistasse uma pontuação máxima por parte dos jurados, como por parte do público. “Esta semana não vim vestida de Micaela Oliveira”, começa por referir Rita, que surgiu na 7.ª gala do programa de muletas. “Estava a dançar jive e, num movimento, tive uma dor horrível. Sentei-me e, quando tentei levantar-me, não consegui. Chamei o fisioterapeuta presente e ele disse-me logo que, pela dor que tinha, só podia ter rasgado o músculo. Quando fiz a ecografia, os médicos viram que tinha um rasgão de três centímetros na parte de trás da coxa. Uma situação grave. (…) O médico disse-me logo que não podia continuar, mas eu chamei-o à parte e perguntei-lhe o que é que podia acontecer se arriscasse. Ele disse-me que podia ficar coxa para o resto da vida”.

“Enquanto estive a fazer o programa, fui chamada para o casting de um filme”, responde Rita depois de a questionarem se teria, finalmente, férias após o programa. Sei Lá, uma adaptação do primeiro livro de Margarida Rebelo Pinto, em 1999, um romance que é agora adaptado para cinema, pelas mãos de Joaquim Leitão. “Não sou a protagonista, mas estou muito, muito, muito, feliz!”, confessa Rita revelando que foi ao casting sem grandes esperanças de conseguir a participação. “É raro apostarem em actrizes comerciais, portanto fiquei muito feliz quando soube. Fui ao casting tranquilamente, achando que não ia ficar e quando recebi a notícia no dia a seguir nem tive reacção.”.

“A Odete é a verdadeira telefonista. Anda sempre impecavelmente penteada (…) unhas que variam entre o cor-de-rosa, o encarnado e o cor-de-laranja, conforme a estação do ano. Indumentárias de uma imaginação e criatividade extraordinárias (…) muitas pulseiras e anéis, pechisbeque e ouro habilmente misturados, de tal forma que alguém menos atento se arriscaria a imaginá-la descendente de uma família de ourives. E pensar que todos os dias vem de transportes públicos: primeiro a camioneta até ao barco, depois o cacilheiro e finalmente o autocarro até ao escritório. É boa pequena”, descreve Margarida Rebelo Pinto no livro que deu origem ao filme, que estreou em Abril de 2014.

2014

O ano começou com várias viagens em trabalho... uma delas a Miami. Em Janeiro foi revelado um teaser do videoclip dos B4, É Melhor Não Duvidar, que estreou a 20 de Março.

A 3 de Abril, e tal como havia sido anunciado, estreia Sei Lá e Odete, citando uma das personagens, a "bimba da Margem Sul", foi considerada por críticos especialistas o melhor do filme, tendo sido dito inclusive "que os únicos momentos de genuína graça e de bom acting são oferecidos pela menina Rita, só é pena ela não ter muita relevância para a história".

No dia 6 de Julho, e aquando da primeira edição do Nos Air Race - um evento aéreo promovido pela NOS -, fez a sua primeira experiência como repórter, tal como havia anunciado no dia anterior no programa Juntos no Verão.

2014 é marcado por um grande desafio a nível profissional. Depois de ter anunciado em Junho em entrevista que "provavelmente" iria "voltar à TV em Julho", esse regresso acontece, a 9 de Agosto, e desta vez não foi na área da ficção mas sim, novamente, na área da apresentação. A segunda edição de Dança com as Estrelas deu o mote para um programa no canal por cabo +TVI: Dança com as Estrelas Bastidores, um programa que Rita desde que o anunciou que prometeu que seria um programa "pelo" seu "olhar", onde iria conversar com os concorrentes, os jurados, os bailarinos e até a apresentadora, mas, quando eles menos esperarem", e "com perguntas diferentes, as respostas que eu quero saber, as sensações que estão realmente a viver e a minha opinião do que se passa".

O seu regresso na área da ficção está agendado para Março de 2015, no entanto, a novela já foi apresentada e as gravações já começaram! A Única Mulher, uma novela da autoria de Maria João Mira e o seu filho, André Ramalho, que se passará entre Angola e Portugal. Na pele de uma professora de ladies style e dona de uma escola de dança, Rita confessou na apresentação estar "muito, muito feliz e ansiosa". Com dez anos de carreira, este papel traz algumas novidades à experiência da actriz: o papel de mãe. "Vou viver o papel de mãe pela primeira vez e isso é um desafio. Sei que ela vai ser considerada uma vilã, mas eu vou sempre defender o contrário, pois tudo o que ela faz é em prol da família. E eu identifico-me muito com isso, com esse conceito de família."

Graças à sua experiência como embaixadora da Oriflame, e depois de ter estado em Janeiro nos laboratórios da marca e ter revelado na altura em entrevista que havia criado "um verniz e um batom", eis que surge uma novidade em Dezembro: Rita's Pale Pink, um batom exclusivo e limitado, e que se encontra disponível em mais de 60 países. A escolha da cor deveu-se à adoração da actriz pelo verão. "Escolhi esta cor porque adoro o verão. Com este tom sinto que o verão pode durar o ano inteiro. É uma cor que transmite doçura e atitude, as características de uma mulher latina.".